Destaque

Anitta fugindo de cobra em gravação de clipe vira meme e fãs comparam réptil a Iggy Azalea

20 de julho de 2017

anitta

Anitta mostrou cenas de bastidores da gravação do clipe “Sua Cara” em seu Instagram, nesta terça-feira (18). Nas imagens, a cantora dança diante de uma cobra. Em certo momento, o réptil pula em direção à cantora, que sai correndo e dá um gritinho.

E os internautas não perderam tempo e transformaram a cena em meme, comparando a cobra a problemas da vida, aos trabalhos de faculdade e, como não podia faltar, a cantora Iggy Azalea.

“Vazam imagens da nova versão de ‘Switch’ com Anitta e Iggy Azalea”, escreveu um fã da cantora, fazendo referência ao vídeo do single que as duas interpretam juntas. A rapper Iggy Azalea decretou esta semana que a gravação deste clipe não vai mais acontecer. “Estou finalizando a divulgação de ‘Switch’ e pulando para outro single. Vou dar mais detalhes quando chegar a hora”, completou a cantora.

Já o clipe de “Sua cara”, parceria de Anitta com Pabllo Vittar, será lançado no dia 30 de julho.


Anitta e Iggy Azalea: clipe cancelado será último capítulo da novela de ‘Switch’?

19 de julho de 2017

Mais um capítulo da novela que envolve Anitta e seus parceiros internacionais foi ao ar na internet neste fim de semana. A rapper Iggy Azalea, com quem a brasileira colaborou no single “Switch”, decretou: o clipe da música “não vai acontecer”.

“Estou finalizando a divulgação de ‘Switch’ e pulando para outro single. Vou dar mais detalhes quando chegar a hora.”

A australiana escreveu no Twitter a frase acima, em resposta a uma seguidora que perguntou sobre o vídeo. Um produtor que trabalhou com Azalea, Clyde Goins, chegou a dizer que o clipe sairia em breve, mas a cantora alfinetou: “Clyde é um cara legal que sabe tanto quanto meu jardineiro sobre os meus lançamentos.”

O cancelamento do clipe de “Switch” se deu em meio à turbulenta divulgação do single, lançado em maio e cercado pela euforia dos brasileiros que torcem pelo sucesso de Anitta no exterior. Uma versão não finalizada do vídeo vazou na internet poucos dias após o lançamento da música, e Anitta lamentou:

“A Iggy é muito detalhista, perfeccionista e cuidadosa. Ela cuida de cada detalhe. É muito ruim você ver uma coisa saindo que não está do jeito que você queria exatamente.”

A partir de então, alguns fãs passaram a acreditar em uma suposta rachadura na relação entre a funkeira e a rapper, baseados em alguns sinais:

Azalea na opinião dos fãs – deu pouco espaço a Anitta no programa “The tonight show”, de Jimmy Fallon: a brasileira não permaneceu o tempo todo no palco

A cantora teria apagado do Instagram todas as fotos em que aparecia com a brasileira. Depois, justificou dizendo que não administra sua conta na rede social.

A rapper já reclamou várias vezes de ataques de brasileiros em suas redes sociais.

A australiana apareceu em fotos com o colombiano Maluma – outro parcerio de Anitta, e fãs passaram a cogitar uma “traição”

Em meio aos boatos sobre Azalea e Maluma, posts misteriosos de Anitta no Twitter foram interpretados como indiretas aos dois.

Crise com a gravadora

A revelação de que passará a trabalhar na divulgação de um novo single vai contra uma declaração dada por Azalea no início deste mês. Também no Twitter, ela se mostrou chateada com a decisão de sua gravadora de não lançar nenhum outro single de seu próximo álbum, o “Digital distortion”.

“Steve Bartels disse que não pretende lançar nenhum outro single do meu álbum, infelizmente. Então é isso”, escreveu, referindo-se ao presidente da Def Jam, gravadora responsável pelos lançamentos da australiana.

Na rede social, a rapper disse que estava triste com o ocorrido, mas garantiu que seu disco chegaria ao mercado. “Meu álbum não foi cancelado, ele só não terá nenhum outro single. Ele ainda será lançado”, afirmou.

“Digital distortion” pode não ter nenhum outro single lançado, mas deve contar com um momento de superação pessoal para Iggy, já que recentemente ela anunciou uma provável parceria com a cantora Azealia Banks após anos de rivalidade entre elas. Resta saber se ainda haverá próximos episódios dessa história.


Como fãs brasileiros se ‘disfarçam’ para fazer Anitta parecer mais famosa fora do Brasil

14 de julho de 2017

“Paradinha” foi a maior tacada de Anitta em direção à fama internacional. Gravado em Nova York, o clipe da música em espanhol soma mais de 75 milhões de visualizações e chegou a ficar entre os vídeos em alta do YouTube nos Estados Unidos. O que nem todo o mundo sabe é que alguns dos “fãs” conquistados pelo hit fora do Brasil são, na verdade, brasileiros.

No país que domina a internet, um grupo elaborou uma estratégia meticulosa, que inclui uma espécie de disfarce virtual, para ajudar a mostrar ao mundo o quadradinho da cantora – e fazê-la parecer mais famosa no exterior. A tática é dividida em quatro eixos:

YouTube: Fãs brasileiros usam uma rede VPN – ferramenta de acesso remoto, que simula para um computador uma localização geográfica diferente da real – para acessar o clipe de “Paradinha” como se estivessem no exterior. Com o aumento da audiência, a cantora pode ganhar mais destaque no site fora do Brasil

Spotify: Usando a mesma técnica para conseguir um IP (espécie de número de identidade de um computador) dos EUA, eles ouvem no repeat a música . As reproduções na plataforma de streaming contam para a parada da revista americana “Billboard”

Rádios: Por meio de redes sociais, WhatsApp e telefone, eles pedem “Paradinha” em rádios da América Latina, EUA, Europa e Brasil. O site Central Anitta tem tuites prontos, com a @ das rádios e o nome da música. Basta clicar em “enviar”

Redes sociais: Para chamar a atenção dos gringos, os fãs lotam as redes sociais com frases e hashtags sobre a cantora em inglês e espanhol

“Ensinamos em tutoriais a mudar e camuflar o IP para que cada visualização e play na música seja contabilizado com o IP dos EUA”.

A explicação acima é do estudante de administração Lucas Porto, 20, fundador do Central Anitta, um dos maiores agregadores de conteúdo sobre a brasileira na internet. Uma página dentro do site informa, passo a passo, o que é preciso para conseguir o IP falso com uma ferramenta de extensão do navegador.

Fantasiados de americanos, os fãs acessam sem parar a música no YouTube e Spotify para, assim, tentar emplacar Anitta no ranking da “Billboard” – a tabela musical padrão dos EUA considera, além de dados de vendas e rádios, atividades de streaming fornecidas por serviços de música on-line.

“Quanto mais a música conseguir destaque nessas plataformas, mais as pessoas terão facilidade para conhecer o trabalho da Anitta”, justifica Lucas. Segundo a advogada especialista em direito digital Gisele Truzzi, em teoria e numa interpretação extrema, a prática poderia ser enquadrada no crime de estelionato, mas muito provavelmente seria considerada insignificante pela Justiça.

“Esses fãs estão obtendo para a Anitta uma vantagem, induzindo outras pessoas ao erro. É uma situação bem semelhante ao que acontece com a compra de seguidores ou likes nas redes sociais. Quem faz esse tipo de operação pode, em tese, estar cometendo o crime de estelionato.”

A especialista explica que, nesse caso, não há o objetivo de prejudicar alguém e, por isso, a irregularidade poderia ser reduzida ou desqualificada.

Vocês pensaram que eu não ia tietar hoje?

“É uma estratégia muito eficaz, inteligente”, elogia a estudante Juliana Rocha, 17, fã de Anitta desde 2014, quando as músicas da cantora a ajudaram “em um momento delicado”. Além de mudar o IP, ela pede “Paradinha” em rádios internacionais – principalmente latinas – por meio das redes sociais e WhatsApp e usa hashtags para chamar a atenção do público gringo.

Lucas não tem controle sobre o número de pessoas na iniciativa, mas diz que, desde o lançamento em maio, a página dedicada a bombar “Paradinha” já teve cerca de 19 mil acessos. Com atividades separadas por horários, a estratégia é organizada pelo Central Anitta em maratonas, que geralmente acontecem nos fins de semana e duram mais de cinco horas.

A estudante Juliana Mathias, 19, porém, costuma se dedicar ainda mais. Ela conta que estuda à noite e destina seu tempo livre à tarde a Anitta, durante toda a semana. “Ela é uma grande inspiração para todos nós. Sempre teve foco nos objetivos e isso influenciou e ainda influencia todos que acompanham seu trabalho”, diz. E completa:

“Ela é muito determinada e surpreendente. Não consigo nem imaginar até onde ela pode chegar.”

Rocha imagina, e se apega muito mais aos atributos da cantora do que à ajudinha dos fãs:

“Ela pode chegar muito longe, e não digo isso só porque a admiro. Ela é inteligentíssima e, principalmente, persistente. Lutou muito para conquistar o que conquistou aqui no Brasil. Sabemos que lá fora será um outro início e terá que batalhar da mesma forma, mas ela é capaz, com certeza.”

Procurada pela reportagem do G1 para comentar as táticas de seu fã-clube, Anitta não respondeu até a última atualização desta reportagem.


Além do ‘PopStar’, veja atores que tentaram sorte na música

13 de julho de 2017

Em “PopStar”, reality musical que estreou no domingo (9) na Globo, personalidades da TV disputam para ver quem se sai melhor como cantor e cantora.

Os participantes são o jornalista Alex Escobar; os atores André Frateschi, Claudio Lins, Eduardo Sterblicht, Érico Brás, Fabiana Karla, Lucio Mauro Filho, Marcello Melo Jr, Mariana Rios, Marcella Rica, Murilo Rosa e Thiago Fragoso; e os apresentadores Sabrina Parlatore e Rafael Cortez. Aquele que mostrar mais talento fora da sua principal área de atuação ganha o prêmio final: R$ 250 mil.

Fora do universo dos realities, inúmeros outros atores e atrizes já tentaram mostrar versatilidade atacando de cantor ou cantora.

Entre astros brasileiros (Alexandre Nero e Marjorie Estiano, por exemplo) e hollywoodianos (Jared Leto, Eddie Murphy, Lindsay Lohan), eles gravaram discos, fizeram shows, alguns formaram bandas que tocam em festival grande etc.

Relembre, abaixo, atores que ‘atacaram’ de cantores:

Jared Leto

Oscar de melhor ator coadjuvante pelo papel de um travesti em “Clube de compras Dallas” (2013) e conhecido como o Coringa em “Esquadrão Suicida” (2016), Jared Leto é cantor e guitarrista do 30 Seconds to Mars. Entre 2002 e 2013, a banda lançou quatro discos e ficou conhecida por músicas como “From yesterday” (ouça), “This is war” (ouça) e “Up in the air” (ouça). O 30 Seconds to Mars é habitué no Brasil: veio em 2007, em 2011, no Rock in Rio 2013 (onde Leto, no papel de roqueiro, saltou de tirolesa e fez elogios ao açaí), e em 2014. Eles voltam agora para o Rock in Rio 2017.

Scarlett Johansson

Atriz de “Encontros e desencontros” (2003) e famosa como a Viúva Negra na franquia “Os Vingadores” e outros filmes de heróis da Marvel, Scarlett Johansson já arriscou sua voz rouquinha e sussurrada até em disco. No álbum “Anywhere I lay my head” (2008), gravou músicas de Tom Waits e conseguiu boas críticas (ouça “Falling down”). Também já cantou com o cult The Jesus and Mary Chain no Coachella de 2007 e gravou outras faixas, como a “Last goodbye”, cover de Jeff Buckley.

Eddie Murphy

O ator e comediante da franquia “Um tira da pesada” gravou três discos em sua carreira musical é considerado bom cantor. “How could it be” (1985) tinha o hit “Party all the time” (ouça), single produzido por Rick James. Também lançou “So happy” (1989) e “Love’s alright” (1993), que tinha o single “Whatzupwitu”, com participação de Michael Jackson (ouça). Em 2013, saiu o reggae “Red light” (ouça), com colaboração de Snoop Lion (a versão reggae de Snoop Dogg). A produção mais recente divulgada em seu canal é “Oh Jah Jah” (ouça), de 2015.

Lindsay Lohan

A ex-estrela mirim já lançou dos discos de estúdio: “Speak” (2004), dos singled “Rumors” (ouça), “Over” (ouça) e a faixa-título (ouça), e “A little more personal” (2005). Ela também gravou singles avulsos e faixas para trilhas sonoras, mas a carreira musical nunca chegou a deslanchar ao ponto de se sobrepor ao rótulo atual de atriz-problema e polêmica.

Zooey Deschanel

Famosa por filmes indies como “(500) dias com ela” (2009), Zooey Deschanel forma com M. Ward a dupla She & Him. Ela canta e toca piano e ukulele. O primeiro disco foi “Volume one” (2008) tinha o single “Why do you let me stay here?” (ouça). Zooey também gravou músicas para filmes como “Elf” e o próprio “(500) dias com ela”.

Juliette Lewis

A atriz de “Gilbert Grape: Aprendiz de sonhador” (1993), “Assassinos por natureza” (1994) e “Um drink no inferno” (1996) é vocalista da banda Juliette and the Licks, que lançou dois discos: “You’re speaking my language” (2005), do single homônimo (ouça), e “Four on the floor” (2006), do single “Hot kiss” (ouça). O grupo encerrou as atividades em 2009 e a partir dali Juliette iniciou uma carreira solo. Os Licks chegaram a voltar esporadicamente em 2015 e em 2016 para shows eventuais.

Hugh Laurie

O astro de “House” apareceu várias vezes tocando (de verdade) durante a série. Em sua carreira de cantor, o britânico optou preferencialmente pelo blues, gênero de seus dois discos de estúdio, nos quais canta e toca piano, guitarra e violão. Hugh Laurie lançou “Let them talk” (2001), dos singles “You don’t know my mind” (ouça) e “Winin’ boy blues” (ouça), e “Didn’t it rain” (2013), do single “Wild honey” (ouça).

Jeff Bridges

Jeff Bridges ganhou seu Oscar de melhor ator por “Coração louco” (2009). Como nada é assim tão por acaso, seu papel era de um astro do country. Em sua carreira musical, trabalhou com outros gêneros. No disco de estreia, o independente “Be here soon” (2000), foi folk ao rock, passando pelo soul. O trabalho seguinte, já após o Oscar, foi o álbum “Jeff Bridges” (2011), em que interpretou canções próprias e outras de nomes como John Goodwin, Bo Ramsey e Tom Waits. Uma das faixas era o single “What a little bit of love can do” (ouça). Seu terceiro e mais recente trabalho é “Sleeping tapes” (2015).

Bruce Willis

O primeiro disco do astro da franquia “Duro de matar” foi “The return of Bruno” (1987), que tinha pegada R&B (com muito clima anos 1980…) e participação de artistas como The Temptations, The Pointer Sisters e Booker T. Jones. Daquele álbum é a faixa “Respect yourself” (ouça). O segundo disco, “If it don’t kill you, it just makes you stronger” (1989) saiu, atenção, pela Motown, mítica gravadora americana.

Russell Crowe

O astro nascido na Nova Zelândia e ganhador do Oscar por “Gladiador” (2000) formou em 1992 a banda 30 Odd Foot Of Grunts (ou apenas TOFOG). O grupo, do qual era cantor e guitarrista, lançou três álbuns: “Gaslight” (1998), “Bastard life or clarity” (2001), que tinha a faixa “Sail those same oceans” (ouça), e “Other ways of speaking” (2003). Crowe participou ainda de diversos outros projetos.

Terrence Howard

Em 2008, o Rhodey de “Homem de ferro” (2008) e protagonista de “Ritmo de um sonho” (2005) lançou o disco “Shine through it”. O autor é autor de todas as faixas, quatro delas em parceria com Miles Mosley. O gênero tem um quê de jazz e folk, com influências R&B. Uma das faixas é “Sanctuary” (ouça).

Michael Cera

O protagonista dos filmes indies “Juno” (2007), no qual aliás canta a bonitinha “Anyone else but you” junto com a Ellen Page, e “Scott Pilgrim contra o mundo” (2010) já lançou um disco, “True that” (2014). O som tem a cara do ator: simples, produção total caseira, lo-fi, folk, indie, alternativo…

Jennifer Love Hewitt

Estrela de “Eu sei o que vocês fizeram no verão passado” (1997), Jennifer Love Hewitt começou muito cedo na música. O primeiro disco é “Love songs” (1992), que saiu quando ela tinha 12 anos de idade – mas saiu só no Japã; nos EUA, chegou somente em 1997. Ao longo dos dez anos seguintes, vieram outros três álbuns: “Let’s go bang” (1995), “Jennifer Love Hewitt” (1996) e “BareNaked” (2002), dos singles “BareNaked” (ouça) e “Can I go” (ouça).

Marjorie Estiano

O primeiro papel de destaque de Marjorie Estiano na TV já dava a pista. Em “Malhação”, na qual ingressou em 2004, a atriz interpretava a vilã Natasha, baixista da fictícia Vagabanda. O sucesso da personagem rendeu o disco “Marjorie Estiano” (2005). Depois veio “Flores amores e blá blá blá” (2007). A própria atriz, no entanto, considera que seu primeiro trabalho autoral foi “Oito” (2014).

Alexandre Nero

O eterno comendador da novela “Império” (2014) tem uma carreira de cantor e músico estabelecida. Fez parte da banda Maquinaíma e em 2011 lançou o disco autoral “Vendo amor”, que tinha faixas como “Paixonite” (ouça).

Daniel Boaventura

Conhecido tanto por seu trabalho em novelas como em musicais, caso de “A bela e a fera” (2002), “My fair lady” (2006), “A família Addams” (2012), Daniel Boaventura lembra que gravou seu primeiro disco meio por acaso. Era 2007 e ele participava do “Programa do Jô”, quando foi instado pelo apresentador a mostrar seu lado cantor. Acabou sendo “descoberto” pela mulher de seu futuro empresário, que assistia à atração. Nasceu, então, “Songs 4 U” (2009). Outro de seus trabalhos foi “Italiano”, de título autoexplicativo e criado graças ao sucesso de “Passione”. Tinha clássicos do idioma, como “Amoré scusami” (ouça) e “Dio come ti amo” (ouça). O terceiro álbum é “One more kiss”.

Sophia Abrahão

A atriz e apresentadora gravou o disco que leva seu nome e que foi lançado em 2015. Uma das faixas é “Náufrago”, que ganhou clipe (assista).


Lamento sertanejo: Além de Luan Santana, outros nomes do estilo já fizeram desabafos

12 de julho de 2017

Em post feito no Instagram no domingo (9), Luan Santana escreveu um desabafo sobre a carreira e sobre “precisar descansar”. Não foi a primeira vez que um cantor sertanejo resolveu falar de pressão, reclamar de cansaço ou repensar a vida artística…

Na lista abaixo, o G1 relembra outros casos nos últimos anos.

Luan Santana: ‘Precisava descansar de mim mesmo’

“Precisava descansar. Não das pessoas, não da rotina, não da correria. Precisava descansar de mim mesmo, das minhas pressões e cobranças. Tentar lembrar do ‘leve a vida leve’, tentar deixar fluir, mas não consigo. Mesmo quando a mente e o corpo parecem estar lentos e precisando de férias, travo uma batalha comigo mesmo querendo dar um passo a mais. Amanhã pode ser um dia em que eu me contente com tudo que conquistei e deite tranquilo em uma rede, assistindo às ondas quebrarem na areia. Mas hoje, continuo insistindo em ser melhor que ontem”. Leia mais.

Gusttavo Lima: ‘Já não aguento mais… Não suporto mais’

“Eu tenho uma coisa para dizer a vocês hoje… Talvez esse seja um dos últimos shows que vou fazer na minha vida. Eu já não aguento mais… Não suporto mais. Tudo o que eu vivi na música sertaneja eu agradeço de coração”, disse o cantor durante show em Iperó (SP), em 2013.

Depois, ele voltou atrás e disse que a declaração foi dada em um momento de cansaço. Ele citou a morte da irmã como um dos fatores para dizer o que havia dito. “Acho que foi um erro quando falei isso no palco. Confesso que, depois, sofri bastante. Essa semana tirei para pensar se ia largar mesmo”, afirmou. “Acho que não vi o carinho que as pessoas têm com o meu trabalho. Por respeito a eles, isso [fim da carreira] não vai acontecer. A gasolina para um artista são os fãs. Quem escolhe a música jamais se aposenta.” Leia mais.

Lucas Lucco: ‘Mais de 3 anos sem ter momento pra mim’

Lucas Lucco publicou um comunicado no Instagram para explicar ausência em show em dezembro de 2015. “Eu saí de casa ontem chorando muito sem motivo específico, deixei meus pais preocupados e não quis dizer nada. (…) Uso remédios pra conseguir voar, uso remédios pra dormir, pra acordar, pra me manter calmo, pra conseguir ficar dentro de um hotel… São mais de 3 anos sem praticamente ter um momento pra mim e pra minha família. Hoje eu moro numa cidade grande, não vejo meus familiares há um ano, minha avós, meus avôs… E vcs sabem, nenhum deles é eterno. E isso martela na minha cabeça o tempo todo. (…) Desenvolvi síndromes, saudade acumulada, medo acumulado, trabalho acumulado… E meu coração e minha cabeça só ficam em paz quando eu estou cantando no palco, gravando as cenas da novela ou em casa com minha família. Eu amo o que faço mas essas coisas que surgiram em mim estão me deixando muito triste.” Leia mais.

Depois do desabafo, Lucco falou em entrevistas que sofria de síndrome do pânico e de depressão. No programa “Encontro”, ele disse: “Tinha medo. É uma doença, uma ferida que ninguém pode enxergar. As pessoas te olham e não conseguem ver nada além de um rosto triste. É difícil de expor, explicar. Parece que ninguém te entende. Por mais que as pessoas tentem definir o que está acontecendo com você, é muito pior do que acham. Hoje, estou muito bem”.

Luciano: ‘Vocês vão ser a 2ª voz que ele sempre mereceu’

Uma briga momentos antes de um show em Curitiba (PR) em outubro de 2011 abalou os irmãos Zezé di Camargo e Luciano. Na ocasião, inicialmente apenas Zezé foi ao palco. Cerca de meia hora mais tarde, Luciano apareceu e declarou: “Não era para eu estar aqui agora. Até o final do ano vou cumprir todos os meus compromissos. Mas o ano que vem o meu irmão vai continuar a carreira sozinho, e vocês vão ser com certeza a segunda voz que ele sempre mereceu e que merece para o resto da vida. Valeu de coração e obrigado.”

Na manhã do dia seguinte, Luciano foi internado em um hospital com uma alteração no nível de potássio, provocada pelo uso de diuréticos. Dias depois, a dupla desmentiu a separação. Luciano contou que havia anunciado o fim da parceria em razão de “uma discussão muito forte”, que “estava p… da vida” e pensou “vou tomar um porre”, misturando diurético e rivotril, um tranquilizante. Zezé chamou a briga de “boba”.


Anime Friends, festival de cultura nerd, reúne atrações de K-Pop, YouTubers e cosplayers em SP

7 de julho de 2017

A 15ª edição do festival Anime Friends vai levar cultura nerd ao Transamerica Expo Center, em São Paulo, desta sexta-feira (7) até o domingo. Os destaques da programação são:

Concursos de cosplayers
Palestras de youtubers
Encontros com dubladores

Animekê: o karaokê com trilhas de animes, as animações japonesas
Artistas de k-pop, a música dançante sul-coreana cheia de fãs no Brasil

Principais atrações deste ano

Uma das principais atrações musicais é a boy band sul-coreana BLANC7.
O grupo de sete integrantes só tem um EP, o recém-lançado “Prism”, mas já conquistou uma base de fãs no Brasil com seu som dançante. O clipe de “Yeah”, primeiro single deles, saiu em março deste ano.

Entre as outras atrações, estão a banda Asian Kung-Fu Generation, o cantor TM Revolution e o ator Takumi Tsutsui, que protagonizou a série “Jiraiya”.

Em entrevista ao G1 em uma de suas vindas anteriores, Tsutsui contou curiosidades do famoso personagem. Ele deu detalhes sobre a armadura que usava:

“Ela não era pesada, mas os movimentos eram limitados. Eu não podia levantar os braços e ela era muito apertada. Durante um ano, não podia engordar um grama sequer. Fiquei um ano sem comer muito e sem beber cerveja”.

Anime Friends 2017

Quando: Sexta (7), às 12h; Sábado (8) e domingo, às 10h
Onde: Transamerica Expo Center – Avenida Doutor Mário Vilas Boas Rodrigues, 387 – Santo Amaro
Ingressos: R$ 160 (inteira) e R$ 80 (meia), pelo site Ingresse. Todas as pessoas que doarem 500g de alimento não perecível (exceto sal e açúcar) poderão pagar o valor referente à meia entrada.
Mais informações: (11) 4933 6661/ contato@ingresse.com


Maluma e Iggy Azalea estão tramando contra Anitta? Não é bem assim; entenda

7 de julho de 2017

Uma trama de novela mexicana se desenrolou na internet brasileira nesta quinta-feira (6): estariam Maluma e Iggy Azalea tramando contra Anitta pelas costas? Parece que não é bem assim.

Alvo de uma enxurrada de críticas nas redes sociais, a rapper australiana usou o Twitter para desmentir que estaria gravando com o cantor colombiano um remix de “Switch” – originalmente lançada com a participação de Anitta.

“Não há nenhum remix de ‘Switch’. Eu irei anunciar a performance de Maluma no palco. Ele é um amigo íntimo e eu o apoio em qualquer coisa que ele faça”, escreveu a cantora, que acrescentou:

“Estou cansada desses ‘fãs’ me atacando e depois pedindo desculpas. Não fiz nada de errado, serei amiga de quem eu quiser.”

Traição?

Os boatos surgiram depois que passou a circular na internet a foto de um encontro entre Iggy e Maluma – com quem Anitta também gravou “Sim ou não” -, durante um almoço em Miami. Nesta quinta, imagens de um suposto ensaio da dupla para os Premios Juventud, que acontecem na cidade, levaram os fãs a acreditarem em uma “substituição” da brasileira em “Switch”.

O enredo esquentou quando Anitta publicou uma série de mensagens misteriosas em sua conta no Twitter – é claro que elas foram interpretadas pelos fãs como indiretas a Iggy e Maluma.

A briga criada pelos fãs brasileiros é um dos assuntos mais comentados na rede social nesta quinta. No esforço para tornar seu repertório conhecido também fora do Brasil, Anitta lançou em maio a parceria com Iggy Azalea e, ao lado da rapper, fez participações em programas de TV nos Estados Unidos.

A cantora brasileira ainda divulgou, no mesmo mês, “Paradinha”, sua primeira música em espanhol. Em junho, saiu “Sua cara”, com participação de Pabllo Vittar e do grupo americano Major Lazer, que deve ganhar clipe em breve.


Ariana Grande justifica rótulo de ‘Mariah Carey teen dançante’ em show para fãs mirins devotos em SP

4 de julho de 2017

“Passei a noite inteira aqui / Passei o dia inteiro aqui / E, garoto, você me deixou andando meio torta.” Tem um contraste bastante grande entre o teor dos versos de “Side to side” e o público a que ele se destina majoritariamente crianças e adolescentes.

Porque são eles os maiores fãs (bem devotos; veja o porquê logo abaixo) de Ariana Grande, que teve no hit um dos principais momentos do show da noite deste sábado (1°) no Allianz Parque, em São Paulo.

De acordo com a organização, foram 27 mil presentes. Muitas mas muitas mesmo – crianças acompanhadas pelos pais, famílias inteiras. Havia adolescentes mais velhos e jovens também, mas chamavam menos atenção. E o que todos puderam ver foi isto:

Uma cantora afinada e de voz potente (agudos sem fim: trabalhamos), que justifica o status de “Mariah Carey teen”;

Uso nem sempre comedido de efeitos, vozes pré-gravadas e playbacks;

Mas potencial mal aproveitado (repertório pop repetitivo);

Show que parece clipe, até meio automático, previsível, com raríssimas interações com a plateia e zero improviso;

Mas que melhora consideravelmente no final e faz valer o fanatismo;

E, por fim, homenagem discreta mas bonita aos 22 fãs que morreram no atentato que aconteceu numa apresentação de Ariana na Inglaterra, em maio. A cantora faz zero comentário sobre o assunto, mas o recado está dado.

Um exemplo do empenho dos admiradores da cantora americana: em dado momento, cai sobre a plateia uma “chuva” de notas de dinheiro falsas com o rosto de Ariana Grande. Na área mais perto do palco, uma menina de uns 12 anos pisou no pequeno pedaço de papel e foi derrubada, tipo futebol americano, por outra garota de idade parecida.

A primeira acabou batendo a cabeça no chão, ficou sem o brinde e saiu com cara de choro e algumas escoriações. No fim, a nota ficou com um terceiro participante da disputa, um garoto de uns 14 anos.

Mas, no geral, o clima foi família, com pais e mães muito participativos, erguendo os filhos nos ombros. E fotografando e filmando. Se bem que, mais para perto do fim, estava fácil ver aqueles pais e mães aparentemente dispersos. Era a chance de os filhos se vingarem pedindo “sai desse celular!”.

Ariana Grande em SP: famílias se reúnem para show da cantora em São Paulo

Ariana Grande em SP: Fãs fazem fila com orelhas de gatinho, faixas e estilo; FOTOS

Já no início, o que acontecia no palco era pouco atraente – não que alguém ali reclamasse, a gritaria era constante… Das quatro partes em que o show de Ariana Grande se divide (cada uma com um figurino diferente), as duas primeiras são fracas.

Privilegiam o repertório do disco mais recente, “Dangerous woman” (2016). Tudo muito dançante e discretamente sensual – Ariana está acompanhada de dançarinos, faz coreografias, mas fica cansativo.

Faixas como “Bad decisions” e “Let me love you” agradam, só que nada, nada de acontecer êxtase coletivo entre o povo que usava as mesmas tiaras com orelhinhas que são a marca da artista de 24 anos, ex-estrela adolescente de TV.

A coisa começa a andar justamente na terceira parte, de pegada feminista. Ela começa com o telão mostrando as palavras “empoderamento” e “feminino”. Vem, então, “Side to side”. O clipe mostra uma espécie de aula de spinning provocante com as “alunas” filmadas por trás. A versão ao vivo não chega a tanto, mas Ariana leva, sim, bicicletas ergométricas ao palco e começa cantando enquanto pedala.

O telão ainda exibe Nicki Minaj, que participa da faixa original (e esse recurso dos duetos se repete ao longo do show, com vozes “do além”). Um ponto positivo: essas vozes extras (dos “parças” e da própria Ariana) ajudam a artista a parecer, ao vivo, melhor do que é. Mas servem de complemento, e não só de muleta apelativa para ela sair rodopiando e basicamente desencanar de cantar, como às vezes acontece com outros astros pop.

Alguma enrolação de leve e chegamos finalmente à quarta parte. Começa com a baladona “Moonlight”, em que Ariana outra vez pode exibir seus dotes quase atléticos de canto. Na sequência, hits do passado: “Love me harder” e “Break free”, as duas do disco “My everything” (2014). Já não era sem tempo: o povo no estádio fica maluco, canta, dança, bate palma, berra etc. Boa, Ariana.

Já ali perto do final, vem o tributo às vítimas de Manchester. O telão mostra o símbolo do luto estilizado, numa montagem em que aparecem as orelhinhas. Ela canta agora “(Somewhere) Over the rainbow”, da trilha de “O mágico de Oz” (1939), conhecida na voz de Judy Garland.

O povo acompanha com reverência o esforço de Ariana e então acontece aquele que talvez tenha sido o único imprevisto de todo o show: a voz da cantora falha de leve. Não dá para saber se de emoção ou por causa de algum erro de tempo mesmo. Muita gente acha que a primeira opção é mais provável e aplaude.

Logo a emoção e o luto dão novamente lugar à festa. Vem “Problem”, que na gravação tem participação da dançante Iggy Azalea. É a hora em que dá para ver mais gente batendo cabelo.

Para fechar, o bis com “Dangerous woman”, balada forte em que geral faz coro. Nessa hora, dois garotinhos de não mais que seis anos de idade, em cima dos ombros dos pais, berravam junto a letra: “Algo em você me faz sentir como uma mulher perigosa (…) Algo em você me faz fazer coisas que eu não faria”.


Jamiroquai anuncia que vai fazer show em São Paulo em dezembro

29 de junho de 2017

nda britânica Jamiroquai anunciou, nesta terça-feira (28), que vai fazer um show em São Paulo no dia 18 de dezembro (veja, abaixo, o serviço).

A apresentação, que faz parte da turnê do disco “Automaton”, lançado neste ano, está marcadca para acontecer no Citibank Hall. Os ingressos custam de R$ 120 a R$ 650 (com meia-entrada).

A pré-venda, inicialmente apenas para clientes Citi e Diners, abre nesta terça e vai até 6 de julho. Os ingressos podem ser comprados no site da Tickets For Fun (clique aqui). A venda para o público em geral começa em 7 de julho.

Liderado pelo cantor Jay Kay, o Jamiroquai já veio seis vezes ao Brasil – a visita mais recente aconteceu no início de 2013.

É conhecida pelo som dançante com influências de jazz, funk, R&B, disco e soul, sempre com pegada pop. O primeiro álbum é “Emergency on planet Earth” (1993). São, ao todo, oito discos de estúdio, sendo o mais recente “Automaton” (2017).

Dentre os principais trabalhos, estão “The return of the space cowboy” (1994); “Traveling without moving” (1996), dos singles “Virtual insanity” e “Alright”; “Synkronized” (1999), dos singles “Supersonic” e “King for a day”; “A funk odyssey” (2001), do single “Little L”.

Outra faixa conhecida é “Deeper Underground” (1999), que está na trilha do filme “Godzilla” (1998) e que saiu como faixa-bônus em “Synkronized”.

Jamiroquai em São Paulo

Quando: 18 de dezembro
Onde: Citibank Hall (Av. Nações Unidas, 17.955)
Capacidade: 7.064 pessoas

Ingressos: visão parcial (plateia superior) por R$ 120; plateia superior III por R$ 160; plateia superior II por R$ 180; plateia superior I por R$ 200; pista por R$ 320; pista premium e camarote I por R$ 650; e camarote II por R$ 550

Classificação etária: não será permitida a entrada de menores de 8 anos; de 8 a 13 anos, é permitida a entrada acompanhados dos pais ou responsável legal; de 14 anos em diante, é permitida a entrada desacompanhados

Bilheteria oficial (sem taxa de conveniência): no Citibank Hall; segunda-feira: fechada; de terça-feira a sábado: das 12h às 20h; domingos e feriados: das 13h às 20h
Locais de venda (com taxa de conveniência)
Pela internet (com taxa de conveniência)


Ariana Grande chega ao Brasil para shows no Rio e em SP

29 de junho de 2017

17sabrinacarpenters02

Ariana Grande chegou ao Brasil para dois shows. Nesta quarta-feira (28), os fãs da cantora publicaram nas redes sociais fotos e vídeos com imagens dela no país.

O fã-clube de Ariana também fez com o que a hashtag #WelcomeToBrazilAriana ficasse no topo dos Trending Topics do Twitter.

A americana vai se apresentar nesta quinta-feira (29) no Rio, na Jeunesse Arena (antiga HSBC Arena), e no sábado (1º) em São Paulo, no Allianz Parque. Os ingressos ainda disponíveis custam entre R$ 220 e R$ 560 e estão à venda no site Livepass.

Recomeço

Os shows no Brasil acontecerão menos de um mês depois de a cantora retomar sua turnê mundial, suspensa temporariamente após o atentado em Manchester. No dia 22 de maio, um homem-bomba explodiu na lotada Manchester Arena no final de uma apresentação da cantora. Algumas das vítimas eram adolescentes e crianças. Ariana, de 23 anos, não se feriu.

Após o incidente, a artista disse no Twitter que estava “destruída”. “Do fundo do meu coração, sinto muito. Não tenho palavras”, afirmou em uma mensagem que recebeu mais de 83 mil curtidas em dez minutos.

Ariana Grande no Brasil (com abertura de Sabrina Carpenter)

Rio de Janeiro

Quando: Quinta-feira (29)
Onde: Jeunesse Arena – Av. Embaixador Abelardo Bueno, 3401 – Barra da Tijuca
Ingressos: R$ 220 a R$ 560, pelo site Live Pass
Horários: 18h30 -19h15 – DJ Ronaldinho
19h45- 20h30 – Sabrina Carpenter
21h – Ariana Grande

São Paulo

Quando: Sábado (1º)
Onde: Allianz Parque – Rua Turiassu, 1840 – Perdizes
Ingressos: R$ 340 a R$ 520, pelo site Live Pass
Horários: 17h30 -18h15 – DJ Ronaldinho
18h45-19h30 – Sabrina Carpenter
20h– Ariana Grande